28 de nov de 2010

Dica de filme: Kick-Ass: Quebrando Tudo

Gostei de Kick-Ass, vou logo avisando. Tipo, caso eu critique alguma coisa no decorrer dessa resenha é melhor já saber de que não estou reclamando, apenas... lamentando. Mas como assim? Bem, vou explicar.
O enredo me chamou muito a atenção, assim como as fotos e os pôsteres na internet. Já o elenco, nadinha – não dei a mínima para os atores, mesmo conhecendo o Aaron Johnson (o Kick-Ass) de outros filmes e temendo o Nicholas Cage em mais uma atuação forçada para conseguir pagar as contas. Surpresa? Sim, muitas. Para começar o Nicholas está perfeito para o papel, o qual é muito importante para a trama (Batman, han?) e a sua interpretação de Big Daddy me convenceu muito (quase choro no fim ok?) e creio que ele se superou nesse papel, amém. Outra surpresa: o filme não é só comédia. A trama começa como qualquer filme de super-heróis quando o protagonista começa sua jornada rumo ao combate contra o crime, porém o mais curioso é que o começo não é triunfante para o “herói”, afinal ele não é o Spider-Man ou o Superman. Sem dinheiro, aranhas radioativas e voar, você não pode inventar de ser um super-herói certo? Errado. Kick-Ass mostra com um humor ácido – isso sim – que você pode saber como tudo funciona no mundo da luta contra o crime, porém entrar no sistema é mais difícil do que se imagina; mesmo assim você pode ter os seus momentos – com uma ajudinha da internet, claro. Agora, a maior de todas as surpresas: HIT-GIRL (Chloe Moretz)! Nossa! Sem palavras para descrever essa personagem de tanta intensidade e baixa estatura. Qual é? A menina é uma criança e mata mais de 30 pessoas no filme! Como assim! Virei fã! A interpretação é incrível e a garota enche a tela com todo o seu talento! E voto na petição para que o filme mude de título!
No mais, lamento pelo diretor. O filme tem tudo para ser uma grande obra, porém nas mãos de Matthew Vaughn o filme pede por um rótulo de sessão da tarde. Se o roteiro caísse nas mãos de Zack Snyder (300, Watchmen) com certeza teríamos um clássico cinematográfico com certeza! Bem, desligando o “crítico chato mode”, no mais o filme é super divertido, engraçado e empolgante. Prende-nos a atenção e nos faz querer mais, e mais! Assistam!

Um comentário:

  1. Pensei que tratava-se de um filme só violento, mas a conjuntura da história mostra a capacidade humana de desafiar as adversidades, e reconstruir sua identidade, principalmente de afirmação, quando se é adolescente.

    ResponderExcluir