11 de jun de 2012

Resenha | Para Sempre

Para início de resenha, esse é um livro diferenciado para ser analisado. Primeiro, por se tratar de uma história real e segundo pela sua característica de narrativa, mais parecida como um relato pessoal do que como o que encontramos normalmente em livros escritos em primeira pessoa. Dados expostos, vamos à análise geral! Com 144 páginas, Para Sempre não é o tipo do livro que me decepcionou; digamos me surpreendeu em diversos pontos. Falhas são normais, porém a história de Kimmer e Krickitt Carpenter vem e supera todas elas.


O casal de estranhos nomes, ele é Kim e ela é Krickitt, se conheceu de uma forma inusitada e diferente. Só isso já os difere de uma linda história de comédia romântica. Passado o momento da conquista, noivam, resolvem se casar, tudo isso em menos de 1 ano, e de repente suas vidas são sacolejadas de modo irreversível. Um grave acidente de trânsito quase leva a vida dos dois, mas mal sabe eles que as consequências ainda vão surgir.  Kim sofreu menos. Kimmer também recupera-se, mas tudo que ela viveu nesses últimos meses não passam de meros borrões em sua memória.


O ponto alto do livro, como a sinopse já entrega, é a perda de memória recente de Krickitt. Imagine casar com uma pessoa e de repente ela esquecer que é casada. Como lidar com tal adversidade? Bem, isso realmente aconteceu e é isso que faz do livro mais vivo do que os outros. Ao ler, conhecemos cada obstáculo que Kim, o marido, superou para tentar conquistar  novamente sua noiva. Narrado por Kim, ele conta cronologicamente toda a história que, mesmo com falta de detalhes ou um pouco acelerado que o normal em romances (sentimos certa falta de descrições, falas e cenas), nos emociona, nos cativa e nos faz querer saber mais.


A história passa a tomar um caminho mais sério e de conscientização, atacando os relacionamentos fugazes e as separações em massa hoje em dia. Kim e Kimmer fizeram um voto de amor (The Vow, em inglês) e mesmo que o destino venha a atrapalhar suas jornadas, o elo continua lá, firme e forte. Mesmo com poucas páginas, toda uma mensagem é perfeitamente compreendida e me fez pensar nela por dias. A moral exposta no livro nos ensina a não desistir do que você quer, não importa as adversidades. O exemplo de Kim e Krickitt é vivo e está à prova de qualquer um que contestar.


Indico esse livro para os casais apaixonados que estão em início de namoro. Indico também para aqueles que estão em um casamento atribulado, porém nada comparado ao que Kim e Krickitt passaram. Reflitam. Sintam a mensagem desse livro e não se enganem com a quantidade de páginas. Por mais simples que a narrativa seja, complexo são os valores que lá estão sendo ensinados. Pensar no amor como um voto eterno entre duas pessoas, a fim de viver o resto de suas vidas juntos, é raro de se encontrar em nossos dias. Que tal conhecer e descobrir se isso realmente é possível?