25 de mai de 2012

Resenha | A Esperança

ATENÇÃO: ESTA RESENHA CONTÉM SPOILERS DOS DOIS PRIMEIROS LIVROS DA SAGA.

É chegada a hora. Antes de sentar em frente ao computador para escrever esta resenha, passei o dia refletindo sobre como poderia escrevê-la. O modo como fiquei ao terminar de ler A Esperança me deixou psicologicamente exausto, e não estou exagerando. Mas, qual o objetivo do livro a não ser nos abrir os olhos, nos influenciar, nos modificar, nos retratar? Não foi uma leitura fácil de ser absorvida. Me incitou, me fez pensar mais que o normal, me perturbou, me emocionou.  É, estou vendo que vai ser difícil expressar com poucos parágrafos como me senti e o quanto sofri com o desfecho de toda a trilogia. Só tenho a agradecer Suzanne Collins pelo prazer que foi conhecer essa história. E lá vamos nós.

Passado todo o drama de novos Jogos Vorazes com os antigos tributos vencedores na arena, incluindo Katniss e Peeta, descobrimos ao final de Em Chamas que enquanto os dois estão lutando novamente para sobreviver, a guerra está tomando forma lá fora. O Distrito 12 não existe mais. Presidente Snow e seus Pacificadores agora estão fazendo do antigo lar de Katniss e Peeta o mais novo "exemplo" a não ser seguido. Não se torne um rebelde. Mas já é tarde demais. O Distrito 13 não está destruído como imaginado, e sim preparando-se para uma guerra contra a Capital, ou melhor, uma guerra contra Snow - e Katniss é o rosto de toda a revolução.

A forma como Suzanne Collins leva a história nos faz perceber o quão profunda e inteligente a trama ainda demonstra ser. Suas camadas vão inicialmente sendo expostas a medida em que os preparativos para a guerra vão sendo relatados. Todo o sentimento de Katniss e sua confusão mental está lá, nos fazendo confusos também. Vivemos isso, sentimos isso. O livro já começa com uma tensão extremamente inquietante, nos fazendo ter mais vontade de passar as páginas e descobrir logo como tudo vai terminar; mas é impossível: Suzanne escreve de um modo capaz de nos prender a cada detalhe, cada palavra, cada vírgula, cada fala, cada gesto. E a simples página passa a ganhar 1 tonelada de peso, dado o quão importante ela é. Aqui vai uma dica: respire bem fundo, e leia com calma (se puder!).

Os acontecimentos do livro trazem analogias e explicações brilhantes. O desfecho é extremamente amarrado, como se a autora já certa de como tudo iria terminar desde o início (essa é uma técnica extremamente difícil para autores contemporâneos) tenha colocado elementos marcantes nos outros dois primeiros livros capazes de serem reconhecidos no terceiro, dando a sensação de ler uma obra exata, concreta, verdadeira, sem contestações. Símbolos, canções, personagens, momentos. Lembranças de um passado presente, em cada futura ação. Minhas palmas para a autora, e palmas para os personagens: mais humanos que muita gente por aí. Sentimos o drama de Katniss, sentimos o sangue no hálito de Snow, sentimos o clima de extremo desespero, a correria, a fome, a dor.

O livro traz em si uma carga de denúncia claramente evidente. O pão-e-circo da Capital, a ditadura ferrenha e cruel de Snow, o ataque aos nossos valores como seres humanos. Nos sentimos humilhados ao ler, como se nos olhássemos em frente ao espelho e disséssemos: erramos, acertamos, não valemos nada como humanos. Genial. No mais, em minha humilde opinião a autora nos deu um banho de sangue ao mesmo tempo que nos deu um excelente final. É claro que torcemos para que aconteçam várias coisas no decorrer da leitura (nós como autores) mas por mais que alguns fatos não tenham sido detalhados ou tenham acontecido rápido demais, fiquei muito satisfeito. Os futuros livros de História de Panem serão empolgantes de serem estudados, podem apostar. Foi uma incrível, intensa, e principalmente emocionante jornada ler a trilogia. Obrigado, srta. Collins.