31 de jan de 2012

Resenha | A Maldição do Tigre

Sempre que alguém fala sobre o hábito de ler, seja um professor de literatura até um simples leitor, sempre surgem aquelas velhas frases de efeito (mas que tem toda a razão) como "ler nos dá asas a imaginação" ou "a literatura nos liberta, nos faz viajar sem sair do lugar". Pois bem. Durante a leitura de A Maldição do Tigre, rememorei o velho e verdadeiro sentido dessas frases já tão usadas e, quer saber? A viagem foi muito, muito boa.

O livro conta a história de Kelsey, uma jovem adolescente recém-graduada na ensino médio a procura de trabalho temporário para pagar a faculdade. Encontra um 'bico' num circo: terá que fazer de tudo, desde ficar na bilheteria a cuidar de um... grande tigre branco! Ela aceita,e é arrebatada pelo felino. Seu olhar triste e cheiro de sândalo aguça cada vez mais a curiosidade da garota e logo torna-se companheira fiel do animal em sua jaula. O que ela não sabe é que o tigre na verdade é um grande príncipe indiano chamado Dhiren, e ela é a única que pode salvá-lo de tal maldição que já dura mais de 300 anos.

Particularmente, durante a leitura de livros com uma grande carga de mitologia própria, fico com um pé atrás, sempre observando se existem erros ou algo inexplicável que eu quero que seja explicado mais pra frente; porém o livro não deixa a desejar nesse quesito. A história é bem amarrada, a mitologia baseada nas lendas e crenças indianas é rica e gostosa de acompanhar e as explicações (que eu tanto aprecio e aguardo) são críveis e bem elaboradas. Outro ponto alto do livro são as grandes missões que os protagonistas tem de enfrentar; tudo no maior estilo Indiana Jones: caçada de artigos sagrados, cidades de pedra repletas de armadinhas, a luta pela sobrevivência na selva, animais dos mais diversos tipos (alguns até sobrenaturais, como os macacos-vampiros ou kappas) e deusas indianas com suas bençãos e armas especias (gadgets, we love it!).

Como o livro se trata de um romance, também temos Kelsey lutando contra o seu amor para com Dhiren (ou somente Ren, ao longo do livro); vemos uma protagonista com síndrome de inferioridade, visto que o príncipe "é perfeito demais para ela". Achei muito bacana por parte da autora colocar em sua obra traços de muitos adolescentes do século XXI, fazendo da leitura de fácil identificação e atual. Também tenho que elogiar a escrita de Colleen Houck (e a belíssima tradução) que dá o tom épico e eloquente a obra. As passagens são muito bem escritas, e as descrições de detalhes é de qualquer autor invejar. Como eu disse no início da resenha: foi realmente uma incrível viagem. Me senti na Índia com Kelsey, Ren, Sr. Kadam e toda a magia da história. Adorei conhecer a Índia e mal posso esperar para voltar, afinal, o livro faz parte de uma trilogia e o segundo volume, O Resgate do Tigre (título provisório) promete, e muito. 

P.S.: A resenha ficou enorme, mas são tantos detalhes bacanas que ainda estão faltando que me dá um aperto no coração. A capa é linda, tem um efeito laminado belíssimo (procurem nas livrarias). Leiam a obra e participem da emocionante jornada de Kelsey e Ren.