1 de ago de 2011

[Resenha] Anna e o Beijo Francês

Rótulos. Às vezes os livros também sofrem com esse problema de rótulos. Ao me deparar com a capa e o título de Anna e o Beijo Francês muitas coisas passaram pela minha cabeça: um chick-lit? Fofinho voltado para as pré-adolescentes? Bobo? Preconceitos a parte, resolvi aceitar ler e correr o risco de gostar ou não, afinal o crítico para falar de algo precisa conhecer o que está sendo analisado antes de expressar sua opinião. Quebrei a cara. A obra de Stephanie Perkins já está na lista de melhores leituras do ano, simplesmente porque me surpreendeu e me empolgou a cada página. Uma história simples, convencional, mas contada de modo empolgante e bem pessoal. Não há como não se identificar com os sentimentos dos personagens.

O livro fala sobre Anna Oliphant, uma jovem americana de 18 anos que, por pressão do pai, vai para Paris, França estudar por 1 ano em um colégio interno. Deixando família, amigos e o início de um sonhado romance, Anna está revoltada e se prende ao sonho de ser uma grande crítica de cinema, divagando em seu futuro. Até que passa a conhecer colegas de residencia, conversar, interagir e conhecer St. Clair – o jovem americano com sotaque britânico e falante de francês. Anna fica mexida com o novo amigo, mas há um problema: ele tem namorada. E há alguém esperando por ela em Atlanta, sua cidade natal. Dilema. Daí surge muitas situações de engraçadas a dramáticas, passando por traições, brigas, reconciliações, festas – e a Cidade Luz como plano de fundo de todas essas situações.

A narrativa é um grande tour por Paris. Quem nunca foi lá, ao ler o livro se apaixona pela cidade e passa a querer pegar o próximo voo. A autora foi muito feliz a descrever vários aspectos da cidade, desde sua grande quantidade de cinemas a arquitetura dos grandes monumentos. E o mais bacana é saber que Perkins nunca foi a Paris! Tudo resultado de uma belíssima pesquisa na internet. Obrigado, Google! Em se tratando da história, o começo é um tanto empolgante, com uma narrativa bem simples e feita em primeira pessoa, na perspectiva de Anna. Esse é um dos pontos fortes da obra. Muita gente não gosta desse tipo de narrativa, mas o modo como Anna descreve tudo é agradável e muito concisa. Não há momentos em que você se perca por Anna não presenciar fatos: tudo é esclarecido e de modo bem crível. Chegando ao meio conhecemos melhor os personagens e nos sentimos da turma de Anna, com Meredith, John e Rashimi, e claro St. Clair. Cada um é importante para a trama, a autora os desenvolveu muitíssimo bem sendo que cada um deles tem sua história em paralelo com a aventura de Anna pelas ruas de Paris; e quando elas se entrelaçam é interessante ver que tudo se encaixa – desde frases soltas no início do livro que passam a ter sentido ao final. Um único problema que eu identifiquei foi na diagramação que por muitas vezes confunde o que é fala ou o que é narração, os misturando. Mas não é nada de alarmante e de difícil entendimento. Dá pra contornar, por mais que seja chato fazer isso várias vezes.

E claro, não tem como negar que é um romance bem doce. Mas doce mesmo! As garotas vão se derreter junto com Anna por St. Clair. Por ser do tipo romântica, mas com atitude, Anna é um exemplo de garota do Séc. XXI, fazendo da obra bem atual e causando uma identificação com quem lê. Mas os garotos também podem gostar do livro, claro! Não há como não se identificar com pelo menos um dos personagens de modo que deixam suas fragilidades e trejeitos à vista para Anna descrever e nos contar tudo; como St. Clair que tem medo de altura e rói unhas, ou Rashimi que está preocupada com o isolamento dos amigos e as más companhias da irmã mais nova. Cativante, simples e emocionante. Stephanie Perkins mostrou que ainda dá pra escrever um romance interessante e conciso, mesmo sem vampiros, anjos ou coisas do tipo. Lemos algo real, que pode acontecer. Em resumo, alguém me compra uma passagem só de ida para Paris?

6 comentários:

  1. É um livro gostoso e leve, bom para ler no final de semana (aqueles estilo sessão da tarde).
    Pelo menos foi o que fiz, comecei meio sem querer e devorei no domingo. É fofo demais e as descrições da cidade são lindas.
    Bjkas!

    Monique Martins
    MoniqueMar
    @moniquemar

    ResponderExcluir
  2. Este livro parece ser bom! Estou muito curiosos para ler! Ótima resenha!

    Jackson
    http://www.blogmundodoslivros.com/

    ResponderExcluir
  3. Gostei da resenha, me deu curiosidade de ler o livro! Aposto que futuramente vai ter algum filme, é bem cara de filme de comédia romântica, rs.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Quem acaba de quebrar a cara foi eu, Israel. ''Ana e o beijo francês'' é um livro que pouco me agradou desde o dia que vi seu lançamento. Como você mesmo disse, puro preconceito por conta de seu título e capa, acredito. Mas vou confessar que nunca, até então, tinha lido uma resenha se quer sobre ele, contudo, você me fez parar com essa teimosia toda, e diante da sua resenha tão bem elaborada, resolvi ceder aos encantos de uma leitura que muito me agradou, por fim. Ainda sim, alego que essa não é uma das minhas temáticas favoritas, mas gostei bastante das suas opiniões com base em sua reflexão, e acredito que esta deve ser uma leitura muito boa, onde os leitores possam desfrutar de grandes momentos de prazer.
    Quem sabe algum dia eu faça um tour por Paris através do foliar das páginas desse livro que, volto a dizer, me surpreendeu bastante.

    PS.: Lhe sigo há algum tempo, mas não tinha costume de passar aqui até então. Prometo que isso irá mudar, e sempre que der, estarei aqui para dar minha opinião com base em seus posts. Ah, e parabéns, você escreve muito bem.

    Beijo. :*
    http://universoliterario.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Israel, você é culpado! Culpado por escrever uma resenha que só me fez ter mais vontade de ler Anna e o Beijo Francês.

    Sinceramente, eu não peguei essa temporada de romances sobrenaturais... Na verdade, li apenas um, e assim mesmo, é bem diferente do que estávamos vendo por aí.

    Quando falamos em romances, ou é açucarado demais e cheio de clichês, ou é com seres doutro mundo. Parece que os autores, alguns deles, não sabem criar... Mas vejo que a Stephanie Perkins nos supreendeu, com uma história cativante e...

    Enfim, eu adorei o enredo do livro. Adorei sua resenha! Só fiquei chateado com o que você disse sobre a diagramação do livro... Poxa, quando você acha que está tudo perfeito, você toma um banho água fria!

    Quero ler Anna e o Beijo Francês: alguém me dá de presente?

    Um abraço.
    @Jonathan_HGF

    P.S.: Israel, se você quiser, te levo no meu jato particular... É um pulinho daqui até Paris... /o\

    ResponderExcluir
  6. Oi Israel!!! Nossa, adorei sua resenha, parabéns!! Acho que é a primeira resenha que vejo deste livro na visão de um homem e fico impressionada por ter sido tão bem escrita!! \o
    Ainda não li o livro, apesar de ele estar me esperando aqui mas fiquei impressionada com a autora descrevendo Paris como se já tivesse ido até lá! Ou seja, nada que o Google não resolva hoje em dia né??? *-*

    Beijos!

    ResponderExcluir